Entregamos em todo o Brasil

Frete grátis SP e grande SP para compras acima de R$ 300,00

3x sem juros no cartão para compras acima de R$ 500,00

5% de desconto à vista no boleto ou depósito, exceto nos
produtos em Oferta

Blog - Wine Brasil

  • Casamento – como escolher o melhor vinho para sua festa?

    Casamento é uma das festas mais esperadas em todas as famílias – reunimos pessoas amadas para celebrar o amor. E onde tem amor tem o que? Vinho!

    É bem comum noivas penarem para decidir qual o vinho ideal para a festa de casamento. A dúvida mais cruel é: como harmonizar o menu com o vinho?

    Pensando nisso, separamos algumas dicas cruciais de harmonização para a sua festa de casamento oferecer todo sabor e elegância que o evento merece!

    • Saladas e canapés: Sauvignon Blanc
    • Peixes, massas com molho branco ou de queijo, risoto de queijo, aves:Chardonnay
    • Carnes leves, massas com molho vermelho simples, carne suína, carré de cordeiro: Pinot Noir ou Sangiovese
    • Massas com molhos mais pesados, carne vermelha em geral, pratos com funghi: Merlot, Malbec, Cabernet Franc, Tempranillo, Carmenere
    • Doces e sobremesas: espumante Moscatel ou vinhos de sobremesa, como Porto ou Colheita Tardia

    Gostaram das dicas?

    Au revoir!

  • Outubro Rosa – conheça os benefícios do vinho para mulheres

    O mês de outubro é internacionalmente conhecido pela prevenção do câncer de mama, mas você sabia da importância do vinho para mulheres?

    De acordo com pesquisas de especialistas, o vinho inibe células tumorais. A nutricionista Eliane Fialho (UFRJ) conta que tem obtido resultados positivos com experimentos que envolvem células mamárias. O resveratrol presente no vinho inibe o crescimento das células cancerígenas.

    A indicação é de que as mulheres tomem uma taça por dia.

    E você, já tomou sua taça hoje?

  • Mitos x Verdades sobre vinhos

    Muito se fala sobre vinho, mas poucas pessoas sabem, de fato, se essas informações conferem ou não. Pensando em passar informação relevante aos nossos clientes, selecionamos alguns mitos e verdades sobre a bebida mais charmosa de todos os tempos, o vinho.

    "Quanto mais velho, melhor o vinho” - MITO

    "A maior parte dos brancos é feita para consumo imediato, ou até três anos, no máximo. Já os tintos, até uns cinco anos. Somente os grandes vinhos, bem armazenados, evoluem com a idade", explica o sommelier Fernando Perazza

    "Peixe só se come com vinho branco" - MITO
    É comum que as pessoas sugiram que você jamais combine vinhos tintos com peixes, mas nem sempre é assim. Peixes como bacalhau ou salmão podem harmonizar facilmente com tintos de taninos leves, como os Pinot Noirs da Borgonha ou os Gamays de Beaujolais.

    "Vinho tem temperatura ideal para ser consumido”- VERDADE
    Segundo o sommelier Gianluca Casagrande, os vinhos tintos mais intensos como Cabernet Sauvignon e Barolo são idealmente servidos a 18°C. Tintos de menos corpo, como um Pinot Noir, podem ter 16°C. Os brancos variam de 8°C a 10°C, emquanto os rosés devem em média vir a 12°C. Já os espumantes devem ser servidos com temperatura entre 8°C a 6°C.

    "Cozinhar com vinho não deixa álcool na comida" - MITO
    Sabemos que o álcool é volátil, no entanto, misturado à água, evapora em partes iguais, ou seja, se sobrou água, existe álcool. Ainda em receitas mais longas, como um boeuf bourguignon, que fica entre duas e quatro horas no forno, no fim das contas ainda existe cerca de 5% de álcool no prato.

    A taça influencia na degustação do vinho – VERDADE
    A taça não altera o sabor, e sim a percepção do vinho. Nesse sentido, a transparência do cristal permite melhor visualização da bebida, as hastes longas não afetam sua temperatura e o bojo mais aberto ressalta seus aromas.

     

    Gostaram das curiosidades? Enviem para nós suas dúvidas que esclarecemos se isso é um mito ou uma verdade.

    Au revoir!

  • Dicas para reaproveitar as garrafas e rolhas

    Se você é fã de vinho, talvez sempre se pergunta: O que fazer com a garrafa e a rolha quando acaba o vinho? Engana-se quem pensa que é hora de jogar fora! Com criatividade, é possível reaproveitar as garrafas e as rolhas na decoração da sua casa.

    A decoração mais comum são com as rolhas, investir em um recipiente transparente com diversas rolhas garante um charme especial. Além disso, deixa qualquer ambiente moderno.

    Outra forma de reaproveitar as rolhas é usá-las como imãs de geladeira. Basta retirar o miolo, colocar pequenas mudas de plantas e colar um imã na parte de trás. Charme e delicadeza em um objeto simples!

    Já para reaproveitar as garrafas de vinho, uma dica interessante é investi-las como vasos. Flores garantem um ambiente descontraído e delicado. Outra opção, é apostar nas luzes de decoração dentro das garrafas! Super charmosas e podem ser usadas em diversos ambientes, como: salas, cozinhas, quartos, escritórios.

    Essas são as nossas dicas! O que acharam?

  • 5 vinhos para expert!

    Muitos são os amantes de vinhos e, além disso, muita gente está sempre procurando a sofisticação e diversidade que esse universo oferece. Sendo assim, algumas pessoas são consideradas expert no assunto. Por isso, esse post é pra vocês!

    Nós da Wine Brasil, separamos 5 vinhos ideais para quem é expert no assunto. Vamos começar com o Pêra Manca Tinto: na boca é poderoso, grande estrutura, concentrado e fresco. Final de boca muito longo a frutos secos e chocolate preto.


    Nossa segunda sugestão é o Guru Branco que é muito equilibrado, tem boa acidez, corpo elegante e profundo com final longo e delicado. Nossa terceira sugestão é mais um tinto: o Mob Tinto tem grande frescor de boca, leves fumados, especiarias finas e muita elegância em um ótimo conjunto de leveza e equilíbrio!

    Nossa penúltima sugestão é o Júlio Bastos Garrafeira que é um vinho que resulta da seleção das melhores uvas provenientes de vinhas velhas de Alicante Bouschet.

    E, por último e não menos importante é o Quinta do Vallado Porto Tawny que tem um ataque delicioso, rico e aveludado com bastante frescura. O final é muito persistente e complexo.

    Essas são as nossas sugestões de vinhos para os expert! O que acharam? Deixem seus comentários!

  • Conheça os tipos de rolhas

    É impossível pensar em vinho e não se lembrar da rolha, pecinha superimportante na armazenagem da bebida. Pode não parecer, mas para muitas pessoas o simples fato de abrir o vinho com o saca rolhas faz toda a diferença na hora de saborear um bom rótulo.

    Antigamente, a única tampa que vedada os vinhos eram as rolhas feitas de cortiça, no entanto, hoje existe uma grande variedade de rolhas e cada uma tem uma característica diferente.

    ROLHA DE CORTIÇA

    Adotada no início do século XVII, tornou-se referência por fazer a vedação das garrafas. Extraído da casca do sobreiro ou do carvalho, a cortiça é um material natural muito encontrado em Portugal. Seu maior diferencial é por impedir que o líquido entre em contato com o oxigênio. Entretanto, é bastante vulneral à contaminação por TCA (tricloroanisol), que pode provocar mofo e odor, estragando completamente o vinho.

    ROLHA MACIÇA

    Produzida também de cortiça, é a opção de melhor qualidade. O tamanho é importante; quanto mais larga e elástica for a rolha, melhor para que ela tenha firmeza e consiga vedar a boca da garrafa.

    ROLHA DE AGLOMERADO DE CORTIÇA

    Conhecido por ser a fabricação mais barata, é feita com cortiça moída (sobras das rolhas maciças) e cola. A sua durabilidade também é menor e, algumas vezes, a cola pode sim interferir no aroma dos vinhos.

    ROLHA DE CHAMPAGNE

    Sua produção é dividida em 2 partes: a parte superior, maior e arredondada é feita com aglomerado de cortiça, com mais rigidez para poder puxar com a mão. Já a parte inferior é feita de rolha maciça, mais elástica para garantir a vedação.

    ROLHA SINTÉTICA

    De produção recente, a rolha sintética chegou ao mercado no começo dos anos 90 para substituir a rolha de cortiça.
    Mais econômicas e não vulneráveis à contaminação por TCA, esse tipo de rolha permite que o vinho seja armazenado em pé. No entanto, a durabilidade e a vedação ainda não são comprovadas, fato que, somadas ao lado estético, provoca revolta nos mais tradicionalistas.

    TAMPA DE ROSCA

    Feita de material metálico de rosca e com cobertura interna de plástico, este tipo de rolha impede que o vinho entre em contato com o oxigênio.
    A rolha de rosca foi popularizada em países como Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Chile, Argentina e Brasil.

    ROLHA DE VIDRO

    Nova no mercado, as rolhas de vidro estão entrando no mercado aos poucos, começaram a serem fabricadas no ano 2000. Completamente inerte, a rolha de vidro não tem sabor e nem cheiro, deixando assim o aroma do vinho totalmente livre de alguma alteração.

    E você? Conhecia toda essa variedade? Deixe sua opinião nos comentários!

  • Setembro Vermelho: Uma taça de vinho diariamente para manter seu coração protegido

    Esse mês é conhecido como Setembro Vermelho, pois foi o mês escolhido para concentrar as campanhas de conscientização, prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares. Sendo assim, qualquer dica para manter o coração saudável é bem vinda, não é mesmo?

    Muita gente já escutou que tomar uma taça de vinho todo dia faz bem para o coração, mas a maioria não sabe exatamente o porquê. Por isso, nós da Wine Brasil vamos esclarecer!

    Pesquisas recentes mostram que o vinho é rico em antioxidantes, ou seja, essa bebida protege o sistema cardiovascular. Além disso, previne doenças cardíacas, reduz a pressão, controla o colesterol e aumenta a longevidade.

    Sendo assim, se consumido sem exageros, o vinho garante prazer durante o frio, além de promover boa saúde!

  • Taça de vinho: qual escolher?

    Quem nunca passou pelo dilema de qual taça escolher para tomar vinho? É fato que existem diversos tipos de taças, mas primeiro é preciso entender o porquê elas existem!

    Atualmente, as taças são desenhadas de uma forma bem técnica, com foco no caminho que o vinho faz da taça até a boca e como os aromas chegam até o nariz. Mas, como nem todo mundo pode ter um tipo de taça para cada vinho, acreditamos que os amantes do vinho podem viver apenas com alguns modelos de taças!

    Primeiro passo para escolher uma taça para vinho é olhar o material, pois a taça precisa ser transparente, já que olhar a coloração do vinho é importante.

    Segundo passo é olhar o material, o mercado oferece três opções: cristal, cristal de vidro e vidro. Esse passo depende realmente da sua necessidade. Se você é cuidadoso, invista na de cristal. Caso contrário, a melhor opção é a de cristal de vidro ou vidro. Assim, a chance de quebrar a taça é menor!

    O terceiro e último passo é escolher o formato ideal para cada vinho. Vamos começar com o vinho tinto! A taça ideal para esse tipo de vinho é a que tem o maior corpo, pois o vinho precisa de espaço para respirar, podendo liberar os aromas e sabores.

    Já para o vinho branco, é ideal investir em uma taça menor, pois esse tipo de vinho é servido em uma temperatura mais baixa. Além disso, o corpo menor permite maior realce das notas de frutas.

    E para finalizar, nossa dica é apostar também em uma taça para espumante. A taça ideal é aquela mais fina e comprida, pois possibilita que as borbulhas sejam apreciadas.

     

    Essas são as nossas sugestões de taças ideais!

    O que acham? Deixem seus comentários!

  • Os vinhos ideais para assistir o último episódio de Game of Thrones

    No próximo domingo, chega ao fim mais uma temporada de Game of Thrones, mais conhecida como GOT, entre os fãs do seriado. O último episódio tem sido tratado como um marco, por isso, desde já os telespectadores têm se preparado para esse dia histórico!

    Pensando nesse público, a Wine Brasil separou diversos vinhos que são ideais para assistir o último episódio de GOT! Confira:

    - Vinho suave: Você que torce por Jon Snow e Daenerys, nossa dica é um vinho mais adocicado! Nossa sugestão é: Chateau Ste Michelle Riesling.

    - Vinho tinto seco: Já para quem quer ver guerra, vale investir em um vinho mais forte. Como, por exemplo, o Tarapacá Gran Reserva Cabernet Sauvignon.

    - Vinho branco: Para os fãs que torcem pela família Stark, nossa sugestão é um vinho mais requintado. Como o vinho Estate Chardonnay.

    - Champagne: Para aquele que só quer o comemorar o final da temporada, o champagne é a melhor opção! Nossa sugestão é: Champagne Veuve Clicquot Brut.

    Então, já estão se preparando para domingo? O que acharam das nossas sugestões? Deixem seus comentários!

  • Saiba como conservar vinho para manter a qualidade

    Em algum momento da vida, todo mundo vai ganhar um vinho valioso que precisa ser guardado com todo carinho. Porém, é comum a maioria das pessoas não saberem quais os principais cuidados.

    Pra você que já se decepcionou com um vinho que avinagrou, saiba que você nunca mais vai passar por isso! Confira as nossas dicas e nunca mais corra o risco de estragar um vinho precioso.

    • Deixe o vinho no escuro: Já percebeu que todos os vinhos são comercializados em embalagens escuras? Isso acontece porque o vidro escuro protege o vinho dos efeitos negativos da luz. Então, para conservá-los por mais tempo, é importante mantê-los em lugares escuros.
    • Guarde as garrafas na horizontal: É estranho, mas muito importante para preservar o poder de vedação da rolha e, consequentemente, as características do vinho.
    • Fuja de odores: Não é legal abrir um vinho e sentir um cheiro de cebola ou alho, não é mesmo? E isso pode acontecer, já que os odores podem passar pela rolha. Então, a dica é sempre manter o vinho longe de coisas com odores fortes.

     

    Essas são algumas dicas da Wine Brasil para preservar seu vinho.

    Então, o que acharam dessas nossas dicas? Deixem seus comentários!

  • 07 vinhos ideais para presentear o seu pai!

     

    O Dia dos Pais é uma data especial, não é mesmo? Mas, muitas vezes os filhos não sabem como presentear os pais nessa data. Por isso, para resolver esse empecilho, nossa dica é presenteá-lo com um bom vinho. Confira:

    1- SASSICAIA BOLGHERI DOC 2011

    Resultado de imagem para SASSICAIA BOLGHERI DOC 2011
    Um supertoscano muito elegante e único! Bouquet com notas de frutas vermelhas, especiarias e defumado. Um vinho suculento, aveludado e com final marcante que vale cada gota. Perfeito para celebrar grandes momentos!

    2- GUIDALBERTO IGT 2013

    Resultado de imagem para GUIDALBERTO IGT 2013
    Elegância é a palavra chave para este que é um dos grandes Supertoscanos. Elaborado pelas mãos de um dos nomes mais fortes da Itália, Sebastiano Rosa, esse tinto impressiona pela sua delicadeza e equilíbrio.

    3- LE DIFESE IGT 2013

    Resultado de imagem para LE DIFESE IGT 2013
    Bebê da familia Sassicaia, este tinto é encantador. Encorpado, com taninos e acidez marcantes. Elegante e com final rico. Vale a pena aguardar sua evolução, que como todo bom Supertoscano, promete.

    4- TIGNANELLO 2013

    Resultado de imagem para TIGNANELLO 2013
    Tignanello é um Supertoscano que mantém a identidade e personalidade do território.

    5- GUADO AL TASSO 2012

    Resultado de imagem para GUADO AL TASSO 2012
    Guado al Tasso é um vinho robusto, com caráter mineral marcante e elegância inigualável.

    6- ALMAVIVA 2014

    Resultado de imagem para ALMAVIVA 2014
    Paladar de bom corpo, sem exageros, com boa profundidade, macio, com taninos doces, finos e prontos. Um vinho refinado e equilibrado (como todo Almaviva).

    7- DON MELCHOR 2012

    Resultado de imagem para DON MELCHOR 2012
    Um vinho muito completo e elegante, com notas de grafite e fruta preta. Balanceado na boca, com final longo e cor intensa.

    Gostou das nossas sugestões?
    Então aproveite AGORA e deixe o almoço do Dia dos Pais completo!

  • 5 filmes do Netflix para assistir com um bom vinho!

    O catálogo da Netflix é atualizado quase que diariamente e possui filmes de todos os tipos e para todos os gostos!

    Nós, da WineBrasil fizemos uma seleção de filmes para você assistir e tomar um delicioso vinho.

    Aproveite!

     

    1 - Decanted.

    Dirigido por Nick Kovacic, este documentário retrata a região rica em vinhedos de Napa Valley, na Califónia.

    2 - Sour Grapes

    Sour Grapes conta a história do maior falsificador de vinhos da história, Rudy Kurniawan, que faturou cerca de U$35M.

    3 - Somm

    Este documentário mostra quatro sommeliers que se arriscam a fazer um curso extremamente difícil para ganhar o título de Mestre em vinhos.

    4 - Somm: Dentro da garrafa

    Vinicultores e sommeliers mergulham nos mistérios do vinho que vão desde a sua história até a fabricação e comercialização.

    5 - O sabor do amor

    Este filme mostra a história de Wendy, que herda o Chateau Meroux, uma vinícola localizada no Norte da Califórnia. Para assumir a herança, ela tem que deixar São Francisco.

    Gostou das dicas ou tem mais dicas de filmes?

    Deixe nos comentários!

  • Curiosidades sobre azeite

    É comum as pessoas consumirem azeite no dia a dia, mas muita gente não sabe os benefícios e a maneira que eles são produzidos.

    Somente o azeite obtido por processos mecânicos contém substâncias antioxidantes e o seu consumo é tão importante quanto o vinho para a boa saúde. Na região do mar mediterrânico, muitas pessoas ultrapassam os 90 anos com uma vida normal e independente. Na maior parte da sua vida, o vinho e o azeite puro fizeram parte da sua alimentação diária.

    O azeite está pronto dentro da azeitona. Para extraí-lo são necessários apenas os seguintes processos mecânicos: colher a azeitona, lavar, moer, bater (separar os sólidos dos líquidos), centrifugar (separar a água do azeite) e filtrar. As prensas não são mais usadas, pois não atendem as normas de higiene atuais.

    Para produzir 1 litro de azeite, apenas por processos mecânicos, são necessários 6 Kg de azeitona. Para efeito de comparação, geralmente basta 1kg de uva para fazer uma garrafa de vinho de 750 ml.

    A oliveira e a vinha são plantadas nas mesmas regiões, ou seja, se adaptam aos mesmos solos e climas. As vinhas geralmente tem produções economicamente rentáveis entre os 3 e 30 anos, os olivais entre os 8 e 90 anos.

    O mercado atual de azeite é igual ao mercado do vinho há 30 anos atrás. Este mercado é dominado pelos comerciantes e não pelos produtores de azeite. Muitos comerciantes não têm sequer uma oliveira ou um lagar. Apenas compram e misturam diferentes lotes de azeite para comercializá-los.

    No entanto, existe uma tendência para os produtores de vinho lançarem também as suas marcas de azeite. Adega de Borba, Cortes de Cima, Fundação Eugénio de Almeida, Mouchão, Quinta da Alorna, Quinta do Noval, Quinta do Passadouro e Pintas & Guru já tem os seus azeites comercializados no Brasil.

    Infelizmente, o azeite “aceita” muito mais intervenções químicas do que o vinho. Com a utilização de aditivos químicos é possível extrair óleo do bagaço da azeitona, baixar a acidez de um azeite ou modificar seu aroma.

    O controle de qualidade do azeite na Europa é menos exigente do que o do vinho. Além disso, atualmente as leis brasileiras não permitem que se importe vinho e se engarrafe no Brasil, mas autorizam a importação de azeite em bombonas e o seu engarrafamento no Brasil.

     

    O azeite é classificado em 3 categorias:

    • azeite de oliva extra virgem - Obtido apenas por processos mecânicos e com acidez até 0,8%. Na Europa é o mais utilizado para temperar saladas e pratos na mesa. Este azeite é muito benéfico para a saúde.
    • azeite de oliva virgem - Também é obtido apenas por processos mecânicos, mas tem uma acidez mais alta, entre 0,8% e 2,0%. Na Europa é o preferido dos chefs e das donas de casa para elaborarem os seus pratos na cozinha. Os aromas e o paladar dos Azeites de Oliva Virgem são mais acentuados que os dos Azeites de Oliva Extra Virgem. Este azeite é muito benéfico para a saúde.
    • azeite de oliva - São azeites refinados. Na sua produção são utilizados processos e aditivos químicos. Este azeite é pouco benéfico para a saúde. Se o consumidor quiser economizar, sugerimos comprar óleo de milho ou de soja que são muito mais baratos que os azeites refinados.

    Teste doméstico para verificar a pureza do azeite?- Se deixar uma garrafa por 48 horas de óleo de milho, óleo de soja ou azeite refinado na porta da geladeira, ele continuará líquido. Se colocar uma garrafa de azeite puro obtido apenas por processos mecânicos (azeite de oliva virgem ou azeite de oliva extra virgem) na porta da geladeira, ele se tornará esbranquiçado e gelatinoso, ou seja, ele “talha”. Se uma parte do conteúdo da garrafa ficar gelatinosa e outra líquida, trata-se de um azeite com mistura de óleos ou azeite refinado.

    Não é necessário aumentar os seus investimentos em azeite. Reduza a metade o seu consumo atual de azeite, mas utilize somente azeite puro, obtido apenas por processos mecânicos e de procedência confiável e segura. Dê preferência aos azeites sem intermediários, ou seja, aos azeites feitos e comercializados diretamente pelos próprios produtores. Muitos produtores de azeite são produtores de vinho. Compre marcas de azeite que também sejam marcas de vinho.

    Fonte: Alentejana

     

  • O vinho e a África do Sul

    Por Elaine Gomes Sommelière

    A África do Sul, conhecida internacionalmente por suas riquezas, pela beleza de sua geografia e por seus problemas políticos-raciais, é mais uma integrante dos surpreendentes países produtores de vinhos do Novo Mundo que tanto sucesso vem fazendo nos últimos anos.

    Com o fim da política do “apartheid”, os vinhos da África do Sul passaram a ter aceitação internacional e puderam demonstrar sua alta qualidade e excelente relação custo/benefício. Produzidos com as varietais clássicas e com a interessante Pinotage, uva típica do país, estes vinhos têm surpreendido a todos aqueles que sequer imaginavam que a África do Sul tivesse uma indústria vinícola bem estruturada e desenvolvida.

    História

    O início da produção vinícola da África do Sul se dá com a chegada dos colonizadores holandeses no séc. 17, com a Companhia Holandesa das Índias Orientais. Nesta ocasião, o governador da província permitiu o plantio de uvas que eram procedentes da França. O Cabo da Boa Esperança estava distante das outras regiões importantes, portanto, deveria ter vinho em quantidade suficiente para consumo próprio e para abastecer os navios que ali passavam no caminho às Índias.

    O primeiro vinho da região data de 1659, tornando assim a África do Sul a mais antiga região produtora do chamado novo mundo. Na região da Cidade do Cabo era muito conhecido um vinho fino e doce, o Constantia, baseado em uvas Moscatel, comparado ao Tokay e produzido nas terras do governador. Mesmo com as condições favoráveis existentes na região para o cultivo de uvas, não ocorreu o sucesso esperado, tal como a Austrália e a Califórnia. Isto se explica pelo fato de que durante a Revolução Francesa, a Cidade do Cabo passou para o domínio britânico, havendo corte no suprimento de uvas francesas e toda a produção de vinho era exportada à Inglaterra para consumo interno.

    Em 1859, a exportação era de cerca de 45.000 hectolitros, porém com as mudanças na política britânica em 1865 a exportação chegou apenas à 4.200 hectolitros. A produção não era controlada e o número de produtores aumentou devido à chegada de imigrantes atraídos pelo ouro e diamantes que foram descobertos na região, porém a prosperidade ocasionou conflitos e a venda dos vinhos, assim como a qualidade diminuíram. Em 1905, o governo encorajou os produtores a formar uma cooperativa e em 1918 foi fundada a Kooperatiwe Wijinbouwers Vereniging, dando início a uma nova era para os vinhos da África do Sul.

    Até 1992 a KWV controlou as cotas de plantio como um pré-requisito para uma boa produção. A África do Sul entrou no rol dos produtores de vinhos finos do Novo Mundo na década de 1970, depois da Austrália e Califórnia. O cultivo de uvas nobres como Cabernet Sauvignon e Pinotage, sem a presença de plantio como um pré-requisito para uma boa produção. A África do Sul entrou no rol dos produtores de vinhos finos do Novo Mundo na década de 1970, depois da Austrália e Califórnia. O cultivo de uvas nobres como Cabernet Sauvignon e Pinotage, sem a presença de pragas e com amadurecimento na madeira dão condições à região de produzir vinho de grande qualidade.

     

    Principais Uvas da África do Sul

    TINTAS:

    PINOTAGE

    CABERNET SAUVIGNON

    MERLOT

    SHIRAZ

    BRANCAS:

    CHARDONNAY

    CHENIN BLANC

    SAUVIGNON BLANC

    RIESLING RENANA

    SEMILLON

     

    PRINCIPAIS REGIÕES VINICOLAS DA ÁFRICA DO SUL

    CONSTANCIA

    DURBANVILLE

    KLEIN KAROO

    OLIFANTS RIVER

    OVERBERG

    PAARL

    PIQUETBERG

    ROBERTSON

    STELLENBOSCH

    SWARTLAND

    TULBAGH

  • Casamento: Vinho & Comida

    Por Elaine Gomes Sommelière

    As 10 regras seguintes podem ser utilizadas como um guia, uma série de conselhos baseados em princípios reais, com importantes exceções para cada regra proposta.

    1º: Nenhum grande vinho licoroso deve ser servido com carnes vermelhas ou caças. Uma das regras, talvez mais observada e aceita por todos. Lembra-se de um grandioso jantar em 1926 no Castelo do Ch. D’Yquem com pratos diferentes: 1914 com lagostas, 1921 com asas de pato assadas com calda de laranja e um excepcional 1869 com filé de boi frio com calda trufada, patê de foie-gras e vinho tinto.

    2º: Nenhum grande vinho tinto pode ser servido com peixe, crustáceo e molusco. Se é verdade que o problema não está quando o peixe é servido com uma calda de vinho tinto, entretanto, verdadeiro está em quem afirma que pode-se muito bem gostar de um linguado com vinho tinto da região de Graves ou um bacalhau fresco assado com um Volnay.

    3º: Os vinhos brancos devem ser servidos antes dos vinhos tintos. Essa regra também é pontualmente desmentida se lembrarmos do jantar no Ch. D’Y quem, Sauternes servido com foie-gras; do moscato e espumantes doces casados maravilhosamente com “panetone” ou sobremesas de massas levedadas, ou ainda ao “Passito” servidos com “panfortes” ou “cantucci”.

    4º: Os vinhos ligeiros devem ser servidos antes dos vinhos robustos. Será oportuno observar esta regra para evitar que seja um problema o casamento de um vinho com um queijo fino e delicado servido ao fim da refeição, talvez depois um grande prato de carne vermelha ou de caça.

    5º: Os vinhos gelados devem ser servidos antes dos vinhos a temperatura ambiente. Exceção feita para Moscato, os espumantes doces e os vinhos licorosos no final da refeição.

    6º: Os vinhos devem ser servidos, segundo uma graduação alcoólica crescente. Muito difícil. Lembre-se da 4º regra.

    7º: Casar cada prato o seu vinho. Óbvio, mas muitas vezes muito difícil. Se tivermos poucos vinhos, servir poucos pratos.

    8º: Servir o vinho no ponto melhor de sua vida, no seu apogeu.

    9º: Separar cada vinho com um gole de água. Regra muito simples mas, infelizmente, quase não observada.

    10º: Nunca servir só um grande vinho durante uma refeição. Lembre-se da 7º regra, cada prato com um vinho. Conselho este, para não reduzir o grande prazer da gastronomia.

    Obviamente, como já dissemos, estas não são regras absolutas, também porque seria absolutamente arbitrário afirmar que existem regras.

    O que levamos em conta é o gosto pessoal, pois não existe o melhor casamento para seu paladar. Todavia são eliminadas algumas possibilidades de casamento. Geralmente, não se deve servir vinhos com receitas com forte sabor ácido, como saladas temperadas com bastante vinagre ou limão, picles em conserva; alcachofras cruas, frutas cítricas e uvas, figos frescos, sorvete e salada de frutas temperadas com destilados ou licores dão um gosto forte.

     

    Sensações Gustativas dos Alimentos

    • Sapidez: Determinada pelos próprios sais do alimento (embutidos, carne seca, queijos, etc); pelos eventuais sais de conservação (anchovas, bacalhau, etc.); pelo sal de cozinha (cloreto de sódio) adicionado durante o cozimento.
    • Tendência Amarga: o amargo é quase sempre uma sensação desagradável; a tendência amarga, ao contrário, é uma sensação agradável que encontramos em algumas hortaliças (alcachofras, radicchio, jiló etc.), no fígado, no chocolate amargo e nas preparações muito ricas em ervas aromáticas e em especiarias.
    • Tendência Ácida: diferente da acidez verdadeira, a encontramos em algumas hortaliças em conserva e nas receitas preparadas com suco de limão, vinagre e aceto balsâmico.
    • Tendência Doce: agradável sensação gustativa que não deve ser confundida com a doçura. Têm tendência doce algumas hortaliças (batatas, cenouras, abóboras, etc.), alguns legumes (ervilhas, feijões, lentilhas, etc.), os cereais e os derivados (arroz, farinhas de trigo, massa, etc.), alguns crustáceos (lagostas, camarões, etc.), as carnes vermelhas mal passadas. A parte gordurosa das carnes e muitos queijos ricos em gordura e pouco curados, têm abundante tendência doce.
    • Doçura: sensação fundamental e muito agradável que nos acompanha desde a infância; encontra-se nas frutas maduras e nos alimentos ricos em açucares (sobremesas, sorvetes, balas, etc.).
    • Especiarias: sensações facilmente reconhecíveis enquanto provocadas pelo uso de especiarias que tem características originais e marcantes (cravos, canela, baunilha, curry, pimenta do reino, noz moscada, açafrão, etc.). Sensação presente em sopas e primeiros pratos, carnes, embutidos, queijos, sobremesas, biscoitos, sorvetes.
    • Aromaticidade: ligada ao uso de ervas aromáticas (orégano, manjericão, salsinha, sálvia, alecrim, louro, cebolinha, hortelã, etc.) cruas ou cozidas.
    • Untosidade: sensação tátil dos condimentos adicionados durante o cozimento (manteiga, azeite, óleos vegetais, etc.). Em igual quantidade, os óleos de sementes são mais fluidos que os de oliva, e, por isso, a sensação de untuosidade é maior com os segundos.
    • Gordura: sensação tátil dos alimentos que contém gordura própria (embutidos, queijos, carnes, etc.). A gordura sólida tem agradável sensação de tendência doce; a manteiga tem sensação de gordura quando sólida, e, derretendo, tem maiores sensações de untuosidade.
    • Suculência: sensação tátil devida à presença de líquidos na boca. A suculência pode ser típica do alimento (carne mal passada, fruta, hortaliças, etc.); provocada pelos líquidos de cozimento (caldas, vinhos, molho de tomate, etc.) ou pela salivação durante a mastigação.

     

     

     

1-15 de 42

Página:
  1. 1
  2. 2
  3. 3