Entregamos em todo o Brasil O valor da Guia do ICMS será recolhido à parte conforme a alíquota de cada Estado

Frete grátis SP e grande SP para compras acima de R$ 300,00

3x sem juros no cartão para compras acima de R$ 600,00

5% de desconto à vista no boleto ou depósito, exceto nos
produtos em Oferta

Quinta da Romaneira Verdelho 2014

Mais Imagens

Quinta da Romaneira Verdelho 2014

Disponível: Em estoque

Fresco deste excelente branco do Douro. Este vinho é produzido para consumo imediato.

750ml
R$216,60
ou em até 3x R$ 72,20 sem juros no valor total de compras acima de R$ 600,00
Opções Adicionais
OU
Sobre o produto

Detalhes

A casta Verdelho foi vinificada por prensagem direta, tendo a fermentação total das uvas ocorrido em cubas de aço inoxidável com controle de temperatura a 18° C. Notas de prova: 

A casta Verdelho, conhecida no Douro por Gouveio, foi vinificada em cubas de aço inoxidável, o que contribuiu para o caráter distinto, imaculado e fresco deste excelente branco do Douro. Este vinho é produzido para consumo imediato.

Enólogo: António Agrellos.

Tipo de Solo: Xisto

Teor alcoólico (%): 12 vol.

Ficha técnica

Ficha técnica

Tipo de Vinho Branco
Tipo Gustativo Seco
País Portugal
Região Douro
Produtor Quinta da Romaneira
Safra 2014
Cor do Vinho Amarelo Palha
Volume 750ml
Uvas Verdelho (Verdello)
Pontuação -
Temperatura de Serviço 8°C a 10°C
Sugestão de Guarda até 10 anos
Graduação Alcoólica 14,0%
Harmonização Aperitivos
História do produtor

Quinta da Romaneira

O Passado da Romaneira

A história da Romaneira é bastante antiga, existindo, inclusive, diversas teorias em torno da origem do seu nome. No entanto, gostamos de pensar que o nome Romaneira remonta ao tempo em que os Romanos povoavam o Douro, altura em que, certamente, se teriam dedicado ao cultivo da vinha.

Em todo o caso, existem registos que atestam a existência de uma vinha na Romaneira nos séculos XVII e XVIII, período durante o qual a propriedade pertenceu a três famílias distintas: Sousa Guimarães, cujas iniciais surgem na porta da Quinta com a data de 1854, Lacerda, D. Clara de Lacerda deu o seu nome a uma das casas da propriedade, e Monteiro de Barros, que, em 1940, ampliou a quinta para o tamanho que hoje conhecemos.

Considerada como uma das principais quintas do Douro, a Romaneira aparece representada no mapa do Douro elaborado pelo Barão de Forrester. Não obstante, são feitas menções à propriedade em obras de grandes autores do século XIX, como Henry Vizetelly, que se dedicava ao estudo do Vinho do Porto. O Visconde de Vila Maior classifica ainda o vinho da Romaneira como "um dos melhores do Douro, notável pela sua suavidade, corpo e aroma". Aliás, os Vinhos do Porto da Quinta da Romaneira foram os primeiros Vinhos do Porto a ser leiloados pela famosa leiloeira Christies, em 1872.

Vila Maior elogia o carácter e a personalidade dos vinhos da Romaneira, que se deve, sobretudo, à Touriga Nacional. Esta casta representa, ainda hoje, a maior parcela de vinha plantada da Romaneira (cerca de 40%), um elemento chave para a produção dos seus melhores Vinhos do Porto – Porto Vintage – e vinhos de mesa tintos.

2004 – Presente: Uma nova era

Um grupo de investidores apaixonados pelo Douro adquiriu a propriedade em 2004. A gestão da Quinta da Romaneira foi confiada à reconhecida dupla Christian Seely e António Agrellos, responsável, desde 1993, pelo renascimento de outra distinta propriedade do Douro, a Quinta do Noval. A esta parceria se deve a produção de alguns dos melhores Vinhos do Porto Vintage dos últimos anos, sendo também esta pioneira do movimento de produção de vinhos tintos de mesa no Douro. Para tal contribuiu a experiência adquirida ao longo dos anos por Christian Seely na gestão do Château Pichon Baron e do Petit Château Village, situados na famosa região de Bordéus.

Já com Christian Seely como director - e accionista - e António Agrellos como enólogo consultor, a Romaneira produziu uma série de grandes Portos Vintage (2004, 2005, 2007, 2008 e 2011).

Mas a verdadeira revolução na Quinta da Romaneira fez-se sentir, sobretudo, ao nível da produção de vinhos tintos de excelência, brancos e rosés. Este despertar para a "Revolução do Douro" deu-se em 2004.

O sucesso dos nossos vinhos no panorama nacional e internacional (ver Prémios & Pontuações) não teria sido possível sem o trabalho árduo realizado na melhoria das vinhas, com o objectivo de explorar todo o potencial do nosso terroir (ver Terroir e Vinha). As vinhas velhas foram cuidadosamente organizadas e tratadas. Procedeu-se à replantação de vinhas no centro da propriedade, contribuindo, desta forma, para alargar a área de expressão dos distintos microclimas e terroirs da Quinta. Como comentado por Christian Seely: «Um grande trabalho foi cumprido pela equipa da Romaneira desde 2004 na vinha e na adega, e o resultado é já evidente nos grandes vinhos produzidos. Nos próximos anos vamos continuar a trabalhar juntos no mesmo espírito, inspirados pela grandeza do nosso terroir, e pela nossa convicção que a Romaneira é capaz de produzir vinhos ao nível dos maiores do mundo.»

 

Deixe seu comentário